terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

A difícil escolha da cortina!

Atendendo ao pedido da minha queridíssima amiga Margareth, com dúvidas quanto à escolha da cortina, fiz uma pesquisa na net, e achei essa matéria da Casa.com que vai esclarecer todas as nossas dúvidas
E vamos combinar, que é difícil mesmo acertar nesse item, e a maioria das pessoas realmente não sabe como escolher.

Pode ser curta? Precisa combinar com o que? Precisa de forro?

Vamos lá?


Numa parede com várias janelas, deve-se usar apenas uma cortina? Ou cada janela deve ter a sua?

As duas situações são possíveis na opinião dos profissionais. "Se o espaçamento entre as janelas for menor que 1 m, aconselho uma cortina única", diz Ester Schop, do ateliê Tutti Belli. Para Luciene Franccioli, da Spazio Franccioli, 40 cm de espaço entre as aberturas já justificam peças individuais. O designer de interiores Roberto Negrete prefere várias cortinas, mas não descarta a outra opção: "Quem faz essa escolha deve estar consciente de que poderá ver manchas de sombra na peça durante o dia".

Que modelo de cortina é adequado para janelas duplas ou portas balcão, que abrem para fora e para dentro?

"O ideal é deixar 50 cm de varão a mais em cada lado. Assim consegue-se acomodar o tecido quando as portas estão abertas", sugere Karin Killingsworth, da Arte Markante. "Rolôs, persianas e cortinas romanas são as opções para quem não dispõe de espaço nas laterais", diz Lucia Dorsa, da Uniflex. O problema é que essas cortinas quase somem quando fechadas. A designer Marilda também costuma usar brises (cortinas fixadas diretamente nas folhas de vidro).

Ambientes visualmente integrados, como sala de jantar e estar, devem ter cortinas iguais?

Nessa questão, os especialistas concordam que as peças precisam se repetir, senão causarão estranhamento. Mas a regra tem flexibilidade: quem não quiser cortinas idênticas opta por diferenças sutis. "Uma possibilidade é usar o mesmo tecido em modelos diferentes. Por exemplo, um com pregas e outro sem", propõe Karin. Luciene sugere um tecido liso e outro xadrez, com cores iguais, "mas quem estiver inseguro não deve arriscar". Na foto abaixo, o projeto de Verena Martins Ferreira, Márcia e Eduardo Batistelli traz cortinas iguais no estar e no jantar.

Quando usar forro? Qual sua função? Quais os tecidos mais indicados?

O forro protege a cortina nos locais onde bate muito sol. "Os raios solares desgastam os tecidos. O forro garante a durabilidade e a beleza dos materiais mais sensíveis", afirma Aline Cremonini, que assina o projeto abaixo - o forro é de xantungue misto, e a cortina, de organza de seda com bordados de algodão. Além disso, evita que as cortinas sujem rapidamente em lugares com muita poeira ou poluição. O tergal verão, o gabardine e o brim são os tecidos mais usados para essa função, porém há quem use blecautes e até persianas. Materiais sintéticos, como o voal, podem dispensar forros, mas a resistência diminui.

Qual o tipo de tecido mais adequado: o de fibras sintéticas ou fibras naturais?

Depende. Quem privilegia a praticidade e a resistência escolhe tecidos sintéticos, como o voal: eles praticamente não estragam mesmo se a lavagem é feita em casa. Se você não abre mão dos naturais, atenção na hora da compra: "Observe sempre se são pré-encolhidos. Caso contrário, pode-se perder a cortina na primeira lavagem", ensina Ester. Sueli Bagatella aconselha a mandar os modelos de linho, algodão e seda para lavanderias: "A lavagem a seco também leva água, mas as empresas aplicam um produto que previne o encolhimento".

Cortinas longas devem arrastar no chão? Quantos centímetros devem sobrar?

Essa é uma decisão pessoal. "Tecido sobrando suja, pode ser pisado e acaba rasgando. Além disso, toma espaço", adverte Luciene Franccioli. A maioria opta por usar cortinas que tocam levemente o piso - "Beijando o chão", como diz Roberto Negrete. "Quem quer um ambiente mais clássico, e até mesmo mais chique, deve deixar que o tecido arraste. São suficientes 2 cm a mais na altura", ensina Karin. Segundo Ester, é possível ter até 5 cm de tecido sobrando. Na foto abaixo, a cortina de seda rústica indiana arrasta no piso. Tecido e execução da Formatex.

Em que situações é possível usar cortina curta, que não vai até o chão?

Na opinião unânime dos especialistas, cortina curta só em casos excepcionais "Quando há um móvel ou uma bancada embaixo, por exemplo. Isso acontece muito frequentemente nos quartos de bebê, em que os trocadores ficam logo abaixo da janela", explica Ester. Mas, se esse não for o caso, as cortinas devem ser longas sempre. "É muito mais elegante", diz a decoradora Renata de Angelis. Roberto Negrete também defende que a peça saia do teto: "É uma maneira de forçar a vista para cima, criando a sensação de pé-direito alto".

7 comentários:

  1. Nossa Ly ajudou muito!
    Agora minhas cortinas ficarão mas elegantes.
    Amei a branca com preta!

    ResponderExcluir
  2. super utilidade pública flor
    muito bom!!!!!
    bjokas!

    ResponderExcluir
  3. De nada, flor! Adorei o seu blog e estou te linkando no meu na sessão Vale um clique!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Gostei do post, parabéns!!! Cortina é um assunto que dá pano pra manga...rs

    ResponderExcluir
  5. Muito legal esse post Ly, eu mesma, tinha várias dúvidas sobre o uso das cortinas.Amei!

    Respondi seu email, você recebeu??

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, recebi sim minha flor, obrigada!

    Eu mesma tinha várias dessas dúvidas e acredita que nunca procurei saber? hahaha

    Mas agora vou acertar!

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  7. São tantas regrinhas que devemos nos ater para que nosso lar não fique uma festa junina... Bjs

    ResponderExcluir

♥ Oi galera, infelizmente não tem sido possível retribuir as visitas, mas ficarei feliz ao ler seu comentário, porque é por ele que ainda existe esse blog.

Mil vezes obrigada por todo carinho! ♥
Beijocas.

=)

Linkwithin

Related Posts with Thumbnails